terça-feira, 2 de outubro de 2012

ESTÁTICO


ESTÁTICO


 

Não quero movimento,

Não! Não quero!

Quero calma...

Tranquilidade de um mosteiro

Perdido na nevoa do Himalaia.

Não quero solidão.

Quero apenas um vulto

De amor a me acariciar

Mas, com forma e silhueta,

Beijos quentes e fala doce

Uma criatura que saia

Do labirinto de meu pensar.

Não! Não mais vou correr.

Quem corre não vê o caminho

E ignora a recepção da chegada

Apenas se perde nos passos

Que nunca levam.

Não quero a busca,

Pois tesouros não existem

Apenas se escondem em uma ilha distante

Um dia habitada por piratas

E depois submersa pela inviabilidade.

Não! Não quero.

Quero apenas: eu

E o vulto de meus sonhos

Com sua silhueta dançando amor,

Repousar numa alcova de cristal

Refletindo cores do amor

E a cada movimento de carinho

A cada movimento de paixão

Na refração das cores de encantamento

Quero

Delirar no leito

E morrer de amor.

 

02/10/12

Tony-poeta

 

 

 

 

Um comentário:

  1. Muito difícil eleger uma frase, todas são encantadoras.
    E morrer de amor.

    ResponderExcluir