sexta-feira, 2 de novembro de 2012

ABANDONO - GENTE E ANIMAIS

imagem google

ABANDONO – GENTE E ANIMAIS


 

 

Quinta feira véspera de feriado.  Olho do apartamento para um terreno baldio, visível entre uma construção e uma casa não habitada, e vejo no meio do mato um tanto alto três filhotes de cachorro explorando o terreno. Continuei a observar e, logo vi que os mesmos entraram no meio de alguns entulhos jogados sem critério da construção vizinha.

Pensei comigo, alguma femea, tem muitas nas praias próximas, escolheu aquele lugar para dar a cria; é comum as cadelas se retirarem procurando um lugar isolado, para a preservação da espécie.

À tarde quando Ana passeava com Lacan, meu cão, observou a moradia dos animais e viu tratar-se de quatro filhotes de cão e alguns gatinhos. Alguém havia descartado, por algum motivo as crias no terreno. Antigamente, costumava-se jogar filhotes indesejáveis dentro de um saco com a boca amarrada nos lagos, creio que pela escassez de reservatórios resolveram abandonar.

Não sei avaliar a crueldade maior, matar ou abandonar, a tristeza da morte se compara a crueldade do abandono. O abandono em nós humanos dói profundamente, talvez pela nossa condição de nascermos dependentes, jogados: como diz a filosofia e olhando um mundo hostil já existente, onde nossa única oportunidade de sobrevivência é a adaptação.

Tinha alguns animais abandonados e teria que fazer alguma coisa. Um casal se aproximou do local, os filhotes se esconderam, mesmo assim capturou um, a moça o agradou, deixaram alguma coisa no chão, soltaram o pequenino e foram embora. Com a rua vazia, todos saíram e se alimentaram e esconderam-se novamente.

A noite choveu, preocupei-me apesar de saber que numa toca existe certa proteção e cães e gatos aconchegados se protegem. Não os iria achar a noite.

Pela manhã, dia de feriado, como já falei, voltei para observar. Em pouco tempo vi que estavam lá. Não havia nenhum Petshop para levar, vacinar e preparar a doação. Provavelmente só na segunda feira. Onde moro não tenho como acomodar tantos animais, resolvi alimentá-los e torcer para que não fossem atropelados por algum motorista embriagado, que nos feriados tornam-se abundantes. Torci para que alguma criança que por lá passasse insistisse com a mãe para a adoção; já que dos adultos não espero tal altruísmo.

Ana levou a ração do Lacan, não tive coragem de enfrentar o abandono, a mágoa era enorme, fiquei apenas olhando.

A princípio só um filhote marronzinho apareceu, bastou ela virar a esquina e todos foram comer. Pensei comigo, à tarde busco um saco de ração e vou alimentando conforme a necessidade até segunda-feira, quando os levo para vacinação e adoção.

Muitas pessoas passaram no local, o movimento é razoável, olhavam e iam embora como:- não tenho nada com isso!

Lá pelas tantas, veio uma moça que trabalha catando latas para reciclagem, pessoa que vemos constantemente na praia e, mora em péssimas condições, estava acompanhada de uma criança de sete anos, mais dois rapazes e um cachorro branco e preto que há muito não toma banho, pois a pelagem estava mais para o cinza. Traziam dois carrinhos descartados de supermercado, destes que usam em seu trabalho e foram capturar os cãezinhos.

Deram algum trabalho, escondiam-se nas tocas e no meio dos matos rejeitando os humanos que já os haviam rejeitado. Por fim, com os animais nas mãos, os acariciaram, olharam o sexo e fizeram o resgate. Os gatinhos lá continuaram escondidos e não houve interesse. Geralmente estes animais sobrevivem melhor.

Estes humanos em semiabandono, só eles, eram solidários; ao contrário de todos os outros que passaram.

Pensando bem, humano abandona humano também, basta olhar para a Palestina com seu povo retirado de suas casas e jogado em campos de concentração; A Somália e a Líbia que de importantes entrepostos comerciais na idade antiga, hoje no total abandono, com seus povos famintos suplicando um prato de comida e, mesmo os EUA que possuindo as mais caras bases militares, espelhadas por todo planeta, tem 32 milhões de americanos sem casa e abaixo da linha da pobreza.

A Bíblia diz que o homem foi criado a imagem e perfeição de Deus, mas, para que isso aconteça tem que se tornar Humano; coisa que parece infinitamente longínqua.

 

02/11/12

www.tony-poeta.blogspot.com

 

3 comentários:

  1. Meu amigo Poeta !
    Se eu disser, que a emoção de suas palavras foram tantas, que acabei de ler, engasgada, e com lagrimas nos olhos, pode não acreditar, mas é verdade,um texto muito lindo, pena que real,preferia que tivesse inventado, mas a realidade é essa,infelizmente.Mas para nossa alegria, existe ainda pessoas com bom coração.
    disse uma coisa, que sempre digo, quanto mais humilde e em maior necessidade, maior o coração.
    Quando tinhamos um comercio, faziamos a campanha do agasalho, e oo que menos tinham, eram os que mais doavam, e com um brilho nos olhos e uma felicidade, que comovia, chegavamos a arrecadar mais de mil peças e a maioria doadas pelos que pouco tinham.
    Senti no que passou um amor enorme da sua parte e da Ana Luisa,e dos que pegaram os bichinhos, senti que ha esperanças e isso aquietou minha dor,Maravilhoso o que deixou em palavras, amei demais!Deus os abençoe sempre!!!
    sou ainda mais fã de voce e de Luisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço tuas genis palavras querida Claudi. Obrigado.

      Excluir
  2. Destacado no blog Cultura e Humanismo de Rafael Rocha

    ResponderExcluir