quarta-feira, 14 de novembro de 2012

POESIA - O QUE PENSO


POESIA – O QUE PENSO

Parte I

 

 

Sempre me preocupei em saber onde está a poesia. Hoje creio que: poesia é todo movimento da vida que se encontra de alguma maneira com a harmonia da natureza.  A vida de cada um tem momentos de poesia seguidamente, há poesia até nas situações mais aberrantes.

A poesia se faz a cada momento, o segredo é saber olhá-la. Como pretendo falar bastante sobre este tema, pois acho que o mundo está deixando de ver a poesia e, perdendo, portanto o encanto que deve ter a vida.

Como não há amar sem poesia, faço uma exaltação do amor.

Resumindo: a vida é composta de momentos de amor entre as adversidades, e estes compõe o lirismo da vida.  Vou neste primeiro momento tentar demonstra-lo por uma crônica aparentemente apoética, mas que na verdade encerra uma grande poesia:

Dorothy era um poço de vaidades, como secretária executiva de uma grande multinacional andava de nariz erguido e não se comunicava com a vizinhança; apesar de morar em um bairro de classe média, com vizinhança de posição social compatível com a sua. Era tida como uma pessoa amarga e esnobe.

Certo dia, devido à falta da empregada, que cuidava de sua casa, teve que sair com Tiffany, sua cachorrinha de estimação, que lhe fazia companhia nas noites solitárias.

Sendo horário de almoço, estava arrumada com mais esmero do que o habitual dos finais de semana. O cabelo com penteado impecável feito no mais luxuoso coiffeur, conjunto de roupa de grife e bem ajustada; joias autenticas combinando com a vestimenta, rosto pintado retratando bom gosto, com toda a técnica necessária; salto 15 e nariz empinado como de hábito.

Esta figura na verdade não combinava com a cadelinha agitada, que cheirava todos os cantos da rua, incluindo alguns detritos jogados. Certa hora o animal defecou.

Dorothy sem nenhuma reação de asco, com ar de compreensão e solidariedade abaixou e com um saco, colheu os dejetos expelidos e, os jogou no lixo. Nesta hora fez poesia.

Na hora que perdemos todos os melindres e poses, na hora que somos solidários com o ser que nos faz companhia e com nossa vizinhança, que não tem que compartilhar com nossos dejetos reais ou criados pela nossa absurda prepotência; na hora que com um sorriso nos integramos à natureza: é a hora que extravasamos o amor que existe dentro de nós, é nesta hora solidária e espontânea que existe a poesia. Todo gesto de amor em qualquer situação é poesia e, nos acompanha sem que nos que percebamos.

A vida nos seus momentos de ternura e amor é o que chamo poesia.

 

14/11/12

Tony-poeta.

 

 

6 comentários:

  1. A poesia é a expressão da alma e o eco também! Muito bom seu conceito sobre poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço e fico contente com o comentario, poetisa. Obrigado.

      Excluir
  2. poeta solidários e realista descreve o quotidiano ler a sua poesia e enriquece-dor onde espelha um ser humano sensível e humanitário que descobre no poeta uma maneira de fazer um mundo melhor para todos

    ResponderExcluir
  3. Parece que a nossa missão é segurar o fio da vida.
    Médico e ainda poeta faz isso brilhantemente.
    Os poetas repassam sentimentos, dão para aqueles cegos do sentir uma forma nova de ver e de sentir sentimentos.
    Nos os ensinamos a ter uma visão diferente em cada átomo existente.
    A nossa visão das coisas sempre se transformam em poesia.
    A sua magnífica visão da poesia vez despertar a minha.
    Melhor para de escrever antes que eu faça um texto no seu.
    Espero, O que penso parte II

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico Feliz que tenhas gostado. Muito obrigado pelo comentário.

      Excluir