sábado, 26 de janeiro de 2013

encruzilhadas


ENCRUZILHADAS

 

A vida não tem resultados

Apenas novos percursos,

Com múltiplas escolhas,

Que se abrem do nada.

Tem um horizonte esfumaçado

E, não podendo retornar:

Sempre seguimos no escuro

Procurando luzes efêmeras

Que se abrem com um sorriso

E despedem-se num adeus

Em qualquer encruzilhada.

Tudo continua apenas.

 

27/01/13

Tony-poeta

 

A CASA MAL ASSOMBRADA E O MODESS


A CASA ASSOMBRADA E O MODESS


 

Estou sem a mínima vontade de fazer qualquer coisa. Está mais fresco e com garoa, só eu e o Lacan, meu amigo cão, a rádio ligada e o pensamento, felizmente disperso.

Acontece que nestas horas lembranças estranhas agitam o departamento de memórias esquecidas, foi aí que recordei fatos há muito perdidos. Era bem moleque, não lembro ao certo a idade.

Morava na Alameda Lorena em Sampa, virando a esquina, na Alameda Campinas bem no meio do quarteirão tinha a casa assombrada. Na verdade, uma senhora ali havia morrido após longo sofrimento, as comadres falavam que a mesma não queria morrer. Foi o que bastou para a pequena molecada achar que o espirito ficou na casa. Eu evitava passar por ali, por medo mesmo.

Certo dia minha mãe mandou-me a farmácia com um bilhete, comprar não sei o que. Tinha de passar em frente à casa assombrada. Dar a volta demoraria e não sabia se era urgente, era melhor ir logo.  Passei correndo, cheguei ao estabelecimento. Dei o papel e a balconista me entregou um pacote que já vinha embrulhado, macio, grande, não era um vidro. Fiquei curioso.

Desci retornando e na hora que corria defronte a casa, cai e ralei o joelho. Com dor e tudo entreguei rapidamente a encomenda misteriosa. Perguntei o que era: não obtive resposta. Minha progenitora apenas passou a água oxigenada e a seguir o mercúrio cromo, receita de curativo da época.

Conversando com a molecada, descobri que aquilo era o tal de Modess, para a tal da menstruação; vocabulário que me era totalmente esquisito. Era tabu falar para as crianças, por isso vinha embrulhado.

Quanto a correr em frente à casa mal assombrada, nunca mais o fiz. Passava andando mesmo, o medo da queda era muito maior.

Não sei até hoje se a assombração mudou de endereço.

 

26/01/13

Tony-poeta

ESPICHAMENTO


ESPICHAMENTO


 

No Brasil estamos vivendo a crise do espichamento: a população cresceu cinco centímetros. A Auxologia, disciplina que mede a altura da população, chegou à conclusão que este aumento nos fez retornar a estatura de caçadores de eras remotas, onde a altura era 1,75m.

Não bastasse a obesidade tão difundida pelos nossos meios de comunicação, doença gravíssima que fez gerar indústrias alimentares, farmacêuticas, esportivas e está presente diuturnamente em todos os órgãos de informação; agora temos o espichamento com consequência que ignoramos.

Por certo assim que as autoridades e a mídia atentarem para o fato, outra indústria similar a da obesidade se formará, gerando progresso, lucro e incrementando o PIB.

É só aguardar.

 

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

PRÓ-AMERICANO


PRÓ AMERICANO


 

Fui tomar Coca Cola e meu copo estava cheio de formigas, aquelas formiguinhas bem miúdas coabitantes de apartamentos. Não fazia trinta minutos que havia deixado meu copo na pia.

Achei-as intrusas e lavei o copo. Imediatamente quis saber a que elas se propunham. Não reabasteci de Coca, em seu lugar enchi o copo de Guaraná, puramente nacional, sorvi a bebida, o calor está demasiado e deixei-o na pia com a mesma quantidade de resto.

Cronometrei o tempo, em trinta minutos fui fazer a verificação. Nenhuma formiguinha.

Revoltante! Elas são pró-americanos.

BOA NOITE

 

TONY-POETA

25/01/13

 

 

 

MUNDO SECRETO


MUNDO SECRETO


 

Por detrás de cada face

Há cicatrizes.

Sonhos desfeitos

Lágrimas evaporadas

Amores fugitivos.

Quando o mágico se faz presente

O mundo cria formas

Num Universo secreto.

Discreto

Concentrado.

Vibra

Num grito de amor

Louco e sonoro

Redescobre o viver.

Isto é o viver.

 

25/01/13

Tony-poeta

PETRIFICAR O PASSADO


PETRIFICAR O PASSADO


 

Com o que hoje sei

Olho o passado.

Avalio:

Poderia ter feito...

Poderia ter sido...

Porém...

Mudo depressa o pensar:

Se tivesse feito

Se tivesse sido

Outro seria

E desta maneira

Não pensaria.

Retraio-me saudoso

Serenamente

Petrifico o passado.

 

25/01/13

Tony-poeta

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

CEU E OCEANO


CEU E OCEANO


 

Os azuis se misturam no horizonte:

Não tenho passos, nem braços para vencer o mundo.

Um dia me integrarei!

Hoje:

Quero uma choupana

Uma presença

Um olhar...

Sentir,

Apenas.

 

24/01/2013

Tony-poeta.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

AMBULÂNCIA VIDA E MORTE


 

 

 

AMBULÂNCIA VIDA E MORTE.

 

 

Ambulância corre a estrada,

com toda velocidade,

os carros lhe dão passagem,

com raiva ou caridade?

 

Um carro se aproveitando,

da ambulância dando sinal,

atrás dela vai no vácuo,

velocidade anormal.

 

Como a distancia é longa,

tem uma tarefa afinal,

a ambulância se esmera

em chegar à capital,

e o carro atrás agitado

corre se aproveitando,

vai à ambulância colado,

não tem os faróis piscando.

 

 

A ambulância uma meta,

chegar logo ao hospital,

o carro também se presta,

aproveitando esta brecha

chegar ao Motel do Real.

 

 

17/02/2012

tony-poeta pensamentos

 

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

DISPUTA E SOCIEDADE


DISPUTA E SOCIEDADE


 

A sociedade competitiva disputa o tempo todo, todas as coisas.

O objetivo do homem é a união e o reconhecimento.

A disputa despreza o reconhecimento, só vale a vitória.

Esta na hora de pensar o que realmente necessitamos,

Disputa ou sociedade.

23/01/13

Tony-poeta

MATURIDADE


MATURIDADE


 

Maturidade é este troço que deixa o corpo lerdo, e o pensamento revoltado com esta desobediência [do corpo].

Tony-poeta

 

A FOTO


A FOTO


 

Estava sem inspiração.

Busquei na gaveta tua foto

Para recordar a paixão.

Olhei-te:

Uma santa!

Devoto

Caí na mais louca depressão.

 

06/08/12

Tony-poeta

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

FILIPE



FILIPE


A vida:

Horizonte que se descortina

Caminhos que nunca param

Mas sempre se entrecruzam

Escolhas, sempre obrigatórias,

Se não são caminhos de glória

Sempre é um só caminho

Que se apresenta e bifurca adiante,

Sem parada.

Só um afeto acompanha:

O amor!

Em riso franco

É companheiro da jornada:

Sem ele não somos nada!

Ame e ria alegremente

Esta é a regra do viver.

Sejas bem vindo a tua família.


21/01/13

Vovô Tony