quinta-feira, 30 de abril de 2015

AURORA DA VIDA


 


AURORA DA VIDA 


 

                                                                 AH que saudades que tenho

                                                                                         Da aurora de minha vida

                                                                                                                                   Cassimiro de                         

                                                                                                                                            Abreu

 

Na aurora de minha vida:

- Choveu!!!

Na hora que fui ao espelho

Procurar quem era eu

Saber o que era o viver

Saber o sabor de amar,

Vi o espelho embaçado

Das nuvens que dançavam no ar.

Súbito um clarão estranho

Precedido de um barulhão,

[Depois soube que era um trovão]

Veio não sei de onde,

Tomou todo o aposento

E de modo desastrado

Fragmentou o espelho,

E com ele a ilusão.

 

[Até hoje junto cacos,

Formas geométricas estranhas,

Um teorema incompleto

Que tenho que resolver:]

 

Na verdade pude ver

Que cada caco é um poema

Que brota do teorema

Da vontade de saber.

 

Cada poema é caco

Pedaço de um momento

Desta aurora barulhenta

Que me esperou nascer

Só sei que tudo é poema

E quem sou,

O que é vida,

O que é amar?

Ajunto tudo nas trovas

Que me ponho a declamar.

 

30/04/15

www.tony-poeta.blogspot.com

 

terça-feira, 28 de abril de 2015

MEU GRITO


MEU GRITO


 

Cansei de clamar a musa

Mudo!

Um grito que não ressoa,

Se perde...

Atônito:

Espero resposta,

Não importa

O som, quem o traga

O vento ou a noite incerta

Quero o encanto da luz

Na boate do amor

Nas vermelhas faíscas

De seres apaixonados.

Quero encontrar este ser

De carne a alma

Que só vê o agora

Nunca o depois.

Porém grito...

Grito enlouquecido...

As nuvens passam sem ligar

A lua some

Aparece num sorriso

Debochado, indiferente

- Acostumou com a solidão!

Tresloucado olho a mesa

E a cachaça dos vapores dos sonhos

Embebedo-me nos fantasmas que voam.

 

28/04/2015

www.tony-poeta.blogspot.com