sábado, 12 de abril de 2014

CISMAR

CISMAR


A lua entre nuvens corrediças
Refletiu seus raios...
Acordei...
Estava em meu cismar
De poeta vendo o mundo esperançoso
De humano querendo a vida
Que fugia como as nuvens
Desta noite de luar.
Se o instante
Fixa a mente
E é poesia
A vida:
Tão fugaz só tem passar
Corre lépida para a laje condoída
Que esconde tudo que foi sonhar.
Mas... Eu fico com a lua
Contente e corrediça
Com seus raios que fazem sonhar
Pois o momento
A vida é toda
Só existe vida
Nos sonhos de um beijo
Numa noite a viajar.

12/04/14
Imagem Google.


DEMOCRACIA

DEMOCRACIA
Google


Pequena concessão da classe dominante sujeita a suspensão quando os Donos do Capital achar necessário.
Jamais admitirão serem igualados aos pobres.
A Nobreza é intocável bem como seus lacaios.
Lembrem: QUEM CARREGA O PENICO DO REI É CONSIDERADO DA CORTE.

Tony-poeta

sexta-feira, 11 de abril de 2014

O CORETO

O CORETO



Sempre em minhas viagens ao interior os coretos chamaram atenção. Toda a cidade que visitei em minha infância e juventude lá estava ele, garboso e imponente como presença da arte da vida no centro da praça arborizada e ajardinada, com seus bancos românticos que tanto serviam para escutar uma boa musica executada pelos moradores locais, como para o footing de domingo, onde os casais apaixonados começavam o relacionamento.
Cidades eram citadas como celeiro da música e, toda a população tocando ou ouvindo participava da festa das marchinhas e da reunião de vizinhança, estreitando laços e desfrutando com toda simplicidade da vida próxima ao campo, a noção de fraternidade e convívio com o próximo.
Com o crescimento das cidades e as invenções modernas as praças começaram a não serem pontos de referencia e a música foi substituída por discos, CDs e fitas. Abandonaram a cultura e o talento. Cidades de músicos começaram a rarear.
Finalmente, completando o assassinato cultural em curso, os coretos passaram a ser habitados por indigentes. E diante da repulsa da população a estes estranhos e desconhecidos moradores foram abandonados, sendo todo Patrimônio Cultural e Social do município reduzido a um monte de entulhos.
A ação agressiva é inadequada. O absurdo não são os indigentes morarem no coreto, mas sim haver indigentes.
Não se admite uma sociedade escrava onde quem não é descartado, como no caso os mendigos, é sufocado por tantas obrigações de trabalho onde se perde o descanso, a confraria e o desenvolvimento de pequenas habilidades prazerosas. Como esta, onde por meio do solfejo das notas trabalhadas dias a fio, conseguiam reunir todas as pessoas num objetivo harmônico e restaurador.
O progresso não pode ser o coveiro da sociedade, tem que ser um ponto de apoio a mais para que os humanos convivam e se congracem.

11/04/14
Imagem Google





quinta-feira, 10 de abril de 2014

partida

PARTIDA
alma gêmea Google


Nascer...
É o parto
Morrer...
Parte o ser
A vida é sempre partida
Ser e corpo
O que une é a poesia.

10/04/14

Imagem Google

METONÍMIA

METONÍMIA


Sou metonímia ambulante
Sigo a vida
Sem conseguir parar
Caso apareça uma metáfora
Por instantes
Até fico a olhar
Mas...
Sigo meu caminho hesitante
Tentando a vida achar
Porém, num desencontro constante
Nunca consigo me encontrar.

10/04/14
Imagem Google


quarta-feira, 9 de abril de 2014

SAÚDE E TECNOLOGIA

SAÚDE E TECNOLOGIA


A Sra. K., moça que trabalha, conosco referiu que o filho estava com febre há três dias. Indaguei se não o havia levado ao pediatra. Obtive a seguinte resposta:
- A médica dá sempre os mesmos remédios, sobraram da outra consulta e comecei a tratar. Citou um antibiótico e um antitérmico como medicação.
Sei muito bem, por experiência, que os pediatras dificilmente deixam de examinar uma criança de menos de dois anos, como era o caso. O Posto de Atendimento Médico [PAM] é recente, foram construídos vários no Município. São dotados de toda a infra-estrutura [Raios-X, Ultrasom, Laboratório, leitos de observação]. Não havia descaso no atendimento médico, portanto, o que justificaria o descrédito da jovem mãe?
O sistema de saúde aplicado no País desde a implantação do SUS segue padrões internacionais, é muito próximo do da Inglaterra; baseado em protocolos médicos, um tanto quanto rigorosos, onde as doenças são catalogadas e o tratamento tem uma diretriz padronizada. Na Inglaterra está disponível na Internet e no nosso País está sendo implantado.
No livro “O Artífice de Richard Sennett” estudando o comportamento social da tecnologia, inclusive da medicina Britânica, o que nos interessa, cita a Caixa de Pandora: onde a personagem mitológica expulsa do Olimpo abre a caixinha do progresso pensando trazer melhorias para os humanos indigentes, provoca toda a série de calamidades a partir do que julgou ajudar. Faz uma comparação interessante com a bomba atômica, onde a equipe de cientistas estava pesquisando uma forma de energia útil para a humanidade e não perguntou aos financiadores como seria usada, fato conhecido pela barbaridade de seu efeito.
Em relação à tecnologia avançada que possuímos vamos ponderar o seguinte, a partir da jovem mãe:
Nas vezes que a criança foi consultada, a mesma teve toda atenção necessária. É fato e dispunha de todos os meios para qualquer eventualidade, o que também é correto.  
A mãe que posição ocupa nesta consulta, além de receber a receita e a orientação de como administrar a medicação? Pelo protocolo a conduta foi exata, mas a mãe não ficou satisfeita. Por quê?
Temos o hábito de atribuir à fala, a única possibilidade de comunicação eficiente. Na medicina não é bem assim, desculpe-me os burocratas de plantão.
Vamos iniciar pelo “olho clínico” que todo profissional com experiência possui. Está provado por Rizzolatti e Siniglia, dois pesquisadores Italianos, onde observando macacos concluíram que em nosso Sistema Nervoso e no dos símios [pode ser que muitos outros animais possuam] um grupamento de neurônios, denominados de NEURONIOS ESPELHOS, onde os mesmos antecipam a ação. Por exemplo: ao pegarmos uma xícara e levá-la a boca, o animal ou humano observador inconscientemente realiza o mesmo ato.
No chamado olho clínico, a experiência com doentes de determinadas patologias faz com que chegando alguém com a mesma doença, a identificação seja imediata, quando não na porta de entrada do consultório.
A psicanálise principalmente e a filosofia mais recente tem informações importantes para a comunicação sem fala. Tanto uma como a outra admite que o SER ou Espírito para os Religiosos, assume o corpo que irá habitar tendo que o reconhecer. A vida, mesmo para filósofos católicos é Dom do Planeta e única, já que o ser que irá nascer tem que reconhecer seu corpo, fenômeno chamado de Ipseidade pelo filosofo Ricoer, termo antigo que foi trazido à tona por ele. Só depois de saber o que ele é [no caso o ser humano] vai desenvolver a alteridade, ou seja, reconhecer o outro; onde por inveja e imitação, segundo a psicanálise, irá se tornar pessoa. Somos todos invejosos e imitadores, mas é outro assunto.
Nesta fase quando o humano está se tornando pessoa, o que ocorrerá somente na hora em que o mesmo souber que se chama Pedro, Maria ou Antonio, a única comunicação é inconsciente e com a mãe, que se torna sua Porta-Voz e através dela terá os meios de individualmente ver e interpretar o mundo. Quem nos chamou atenção a este processo foi Winnicott. Um psicanalista de crianças.
Esta comunicação creio eu persiste por toda a vida no relacionamento diário do sujeito, temos exemplos em etologia, onde animais, que não tem nossa fala, se reúnem em lugares distantes onde o cheiro e os rugidos não são sensíveis. Alguns primatas que fazem coletas isolados, no final do dia se encontram em algum lugar da floresta, local nunca repetido e todos estão lá presentes formando o grupo que se dispersou pela manhã. Os cientistas não possuem nenhuma explicação, a não ser outra forma de comunicação, ainda não estudada.
Foi exatamente está simbiose mãe-criança, onde um pensa pelo outro nos primeiros anos de vida que houve a falha. A criança foi examinada e medicada corretamente, a mãe ficou de fora.
É exatamente a comunicação entre o paciente e o médico, já no caso de adultos [na criança tem a mãe de intermediária, ou a avó] que irá propiciar a cura, ou pelo menos auxiliar minorando o sofrimento, no caso de doenças incuráveis. É esta a medicina inicial exercida pelos curandeiros, xamãs e feiticeiros, onde por meio de rituais, juntamente com ervas e os conhecimentos que possuíam em seu grupo, faziam a religação do ser e do corpo, o que posteriormente foi chamado de religião no sentido de re-ligar.  
Portanto toda doença, até os acidentes tem o componente psicossomático, uma vez que fragiliza a ligação do ser ou espírito e seu corpo. A tecnologia potente que possuímos faz sua parte, porém falta o conforto do afeto do feiticeiro representado do médico e todo pessoal da área como enfermeiros, fisioterapeutas, auxiliares, camareiras, que com ritual próprio irá religar e formar o todo.
A medicina atual objetivada pela eficiência, por falta de profissionais da área médica [o numero de profissionais exercendo uma medicina de contato íntimo com a família seria infinitamente maior] e, procurando adequar o custo monetário está, isto no planeta todo, não só em nosso País, perdendo a relação médico paciente que é a base e a origem da arte de cura.
A burocracia e os custos são necessários na sociedade capitalista que vivemos, mas não são soberanas, uma vez que nem o doente nem o médico devem se preocupar quanto custa e qual o programa de analises complementar ou internet vai ser usado. O doente quer conforto e o médico cuidar, o restante para ambos é acessório. Os aparelhos são modernos e a arte de curar vem da origem da civilização. Vamos tomar cuidado com esta caixinha de Pandora.

Antonio Carlos Gomes
Médico




viver é:

Viver é

Olhar ao espelho
Criar própria roupagem
Sair no mundo curioso
Vendo se agrada
E
Em cada elogio recebido
Muito longe da vaidade
É sentir-se
Inserido na sociedade.

09/04/14

Tony-poeta

terça-feira, 8 de abril de 2014

BEIJOS E LEMBRANÇAS

Beijos e lembrança.
surrealismo Google


Perfumei a boca
Com o odor mais delicado
Mesmo assim
Não preenchi a ausência...
Senti os lábios ressecados
Pediam clemência...
Apavorado
Beijei então o teu retrato
Umedecendo as lembranças
Do gosto e cheiro de teus lábios
Tato a tato
Das bocas que se unem na festança.
Teu cheiro até foi exalado
Do retrato que supre tua ausência
E delirante senti-me até amado
Criando por instantes
Tua presença.

08/04/2014

Imagem Google

domingo, 6 de abril de 2014

silencio

Um grito

Um sussurro
O som de beijo
Quebram o silencio...
Ansiedade!
Sem som a vida dá medo.

07/04/14

Tony-poeta

ESTALAGEM

ESTALAGEM


O sino da Matriz é mudo
Só tocará no novo dia...
Escuridão!
Pausa!
Descanso da busca
Corrida adoidada
Onde o não saber busca a certeza
Da ignorância do ser.
Paro!
Um canto quieto
Talvez uma pousada
Por onde entra
Pelo telhado envidraçado
O prateado dos raios do luar
Ilumina o chão
Flores de magnólias
Aroma de cravos
Rescendem pelo ar
A mesa posta
Uvas a se fartar
Bagos nos lábios
Pelas mãos macias
Que sabem acariciar...
Toca o sino
De volta à loucura
Continuo a andar
Recomeço a viagem
Sem rumo
Sempre a procurar...

06/04/14
Imagem Google