sábado, 26 de outubro de 2013

à PAIXÃO SEGUNDO O POETA


A PAIXÃO SEGUNDO O POETA


Todos procuram uma paixão. Ninguém nos seus momentos de devaneio deixa de procurá-la. Os humanos são sempre potenciais apaixonados que fazem milhões de acrobacias para no alto do picadeiro enxergar o outro amado, correm na corda bamba, sem rede de proteção, para um encontro de luzes que irradiará sonhos e dará cores as mais intimas fantasias de amor.
Se todos procuram uma paixão, como a conhecem?  Em que lugar do passado existe este modelo universal que move os devaneios e as esperanças?
Por certo não será no parto, o nascer mesmo vislumbrando um mundo novo é ato isolado e com sofrimento; a dor e a mudança de ambiente faz do nascer um modelo de dor. Pode ser que haja amor, porém está mais para o masoquismo, deste sentimento terno acompanhado de dor que tanto impressionou os psicólogos. O nascer pode ser masoquista, mas não é paixão absolutamente.
Se todos têm o germe da paixão encravado nos seus anseios e se deliciam com ele, este não pode estar na relação sexual.  Nem todo sexo é prazeroso, pode haver estupro, interesses de posição social, geração em laboratório. Um modelo tem que ser Universal. O sexo busca o prazer, a paixão é anterior a relação. O sexo por si só não é paixão.
Resta o encontro dos gametas, por exclusão aí reside o modelo da Paixão. Este encontro mágico e poético, onde a carga de vida masculina encontra-se com a feminina, gera a explosão de vida. Sim a Paixão é o encontro de duas forças formando uma. Dupla força de energia se une em um festival de cores iluminando com vida todo o espaço. A união da vida certamente será o modelo da Paixão, que todos carregamos pela existência.
Passamos pelo planeta buscando esta paixão sempre fugidia. Não que não tenhamos encontros, geralmente os temos, às vezes mais de um, mas na dança das cores do éter onde se forma este mundo, dois seres se instalam. Perde-se o referencial de tempo e espaço, é criada uma dimensão própria fora de qualquer explicação terrena; talvez como se retornassem ao Universo das trompas que acolheu o primeiro encontro explosivo.
O tempo, sempre breve e soberano restitui os seres à Terra e, a Paixão se transforma em amor duradouro? Talvez? Pode também ser um momento brejeiro e que cada um siga seu caminho em busca da paixão do modelo original. Tudo leva ao retorno e a busca da Paixão.
Viver é buscar Paixão e sair do mundo, mesmo que seja por alguns instantes.

27/10/13
Tony-poeta


TEMPO E ESPAÇO

TEMPO E ESPAÇO

Nas linhas curvas
Do tempo e espaço
Curvo-me.

Não reclamo
Nem desfaço
A linha sempre segue.

Esta linha
Não volta
Sempre leva.

Às vezes volto
Rebelo-me
Sonho com ela.

Ela não acompanha
A linha dos sonhos
Não tem matéria.

26/10/13
Tony-poeta


CIRCO

CIRCO


Somos neste circo uma ilusão:
Peças agitadas em simples imitação
Que por mais que variem as formas,
Por mais que se busque o mundo novo,
Nunca passaremos de repetição
Do espetáculo social em seu todo.

26/10/13
Tony-poeta


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

COMPLEMENTO

espectrocospia imagem google

COMPLEMENTO


Talvez
Seja eu
Uma junção de moléculas,
A que chamo vida.

Talvez
Sempre incompleto
Procuro agregar elementos
A que chamo amar.

Serei eu uma junção de partes...
Apenas?

25/11/2013

Tony-poeta

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

VERSO DA FLOR

VERSO DA FLOR


Vou fazer
No verso da flor
O tema de amor
Para nunca esquecer.

O verso, os sonhos
O Universo da flor
Em ti corre
E a luz escorre
No amanhã.
                        
Este
Amanhã dos sonhos
De minha galáxia distante
Da flor rouba as cores...

Eterno!
Um instante de amor.

12/03/1974
Tony-poeta





FERIDAS

FERIDAS



Vestidos de aranhas e escorpiões                     

As sombras caminham mansamente  
Tom sinistro da fumaça de vulcões
Incertos de serem ou não incandescentes.
As formas desfiladas em ferrões
Envenenando-se mutuamente
Ecos tristes de outras sensações
Espectros deslizando sem poente.
Choro negro de cores falecidas
Montes desfilados em pedreiras
No meio da encosta, a caída
Flutuando, porem derradeiras
Pedras tocam o solo e as feridas
Fechando-as, pois são de novo abertas.

26/07/1970
Tony-poeta





quarta-feira, 23 de outubro de 2013

TUDO

TUDO


Minha vida,
Somatório do que convivo,
É ampla.

Cada objeto
Que se apresenta
Está dentro de mim.

Sou somatório
De coisas amigas
Que fazem o mundo.

Tudo interage
Em meu caminho.

Sou o Universo
Preso e condensado
Movido pelo viver.

23/10/2013
Tony-poeta




terça-feira, 22 de outubro de 2013

SILHUETA

SILHUETA!


imagem google
Olhei para a noite
As estrelas sumiram
Ficou um fundo negro.
Perfeito!
Para que eu desenhe
No reino dos sonhos
Tua silhueta desejante.

Tony-poeta

23/10/2013

INFINITO

INFINITO!                          


Pela manhã
Vejo a linha do horizonte.

Lá é o infinito,
Após ele
Novas histórias.

O infinito
Sempre se prolonga

O fogo Olímpico
Apaga-se com o vento.

Sempre será re-aceso.

Somos possibilidades
O infinito é uma possibilidade
Tudo continua.

A vida passa
Sou uma possibilidade
Apenas.

22/10/2013
Tony-poeta



segunda-feira, 21 de outubro de 2013

gatos

SOLIDÃO


GATOS


Gatos no telhado
Movimentos
Gritos
Confronto
Orgias do cio...
Eu na cama
Rodo vazio.

Macio
É o telhado!

21/10/2013

Tony-poeta

domingo, 20 de outubro de 2013

PARECIDO

PARECIDO


O parecido
Pode ser igual:
Pode ser apenas
O rosto desfigurado
De um grande amor
Sonhado...
O punhal que penetra
No peito aberto
Na luz do ideal
Que antes era incerto.
Na casa modesta
Alto da montanha
seu calor
O poeta que sonha
Rabiscou o amor.

20/10/2013
Tony-poeta